Como o sono afeta o autismo?

O autismo pode ser responsável por grandes disfunções comportamentais, sociais e emocionais. Transtornos relacionados ao sono co-ocorrem com muitos dos pacientes no espectro do autismo. Problemas de sono em pacientes autistas têm sido associados a problemas de comunicação, aumento da estereotipia e interação social pobre. Esses problemas também afetam seu comportamento autista geral.

Incontáveis ​​sintomas afetam o autismo. Alguns contribuem para a sonolência entre as pessoas do espectro. Algumas das causas comuns de sonolência em pacientes autistas incluem:

  • Doença mental ou física – Pessoas no espectro do autismo, além de ter que lidar com problemas relacionados ao sono, também lutam com doenças mentais e físicas que podem afetar o sono. Ansiedade, TDAH, transtorno obsessivo-compulsivo, convulsões, refluxo ácido e apnéia do sono podem contribuir para dificuldades em um bom sono.
  • Deficiência de melatonina – a produção de melatonina em pessoas autistas é menor em comparação com pessoas neurotípicas. A melatonina, como aprenderemos mais tarde neste manual, é um hormônio do sono muito importante.
  • Problemas sensoriais – é do conhecimento comum que a maioria dos pacientes autistas tende a ser hipersensível a estímulos sensuais. Talvez eles lutem com problemas de sono devido à sua incapacidade de bloquear as sensações e ruídos que interrompem seu descanso.
  • Genética – a genética pode desempenhar um papel importante em pacientes autistas para adormecer e continuar dormindo.

Problemas de sono em pacientes autistas

A perturbação do sono não é apenas maldosa. Ela influencia o desempenho, o temperamento e a percepção. O autismo afeta esses domínios também. Ao melhorar a qualidade do sono, os sintomas nesses domínios-chave também melhoram.

Um dos motivos que informam a interrupção do sono em pessoas autistas tem a ver com o mau funcionamento do ritmo circadiano. Isso talvez se deva à desregulação do hormônio melatonina. A melatonina desempenha um grande papel na regulação das diferentes fases do sono:

Outros fatores que podem desempenhar um papel incluem;

  • Problemas gastrointestinais
  • Epilepsia
  • Ansiedade
  • Excesso de estimulação durante a hora de dormir
  • Efeitos colaterais da medicação
  • Problemas respiratórios

Crianças autistas lutam contra a insônia. Seu número de horas de sono é menor em comparação com suas contrapartes normais em desenvolvimento. Além disso, eles acordam regularmente nas primeiras horas da noite enquanto perturbam a casa. Alguns deitaram na cama bem acordados para cantar suas canções favoritas. Outros preferem assistir a seus desenhos animados.

O que agora está claro é que a sonolência tem grande influência nos sintomas do autismo. Pacientes autistas com padrões de sono comprometidos correm um risco maior de comportamento diurno lamentável. O sono ruim agrava várias dificuldades clássicas do autismo, incluindo:

  • Ter desafios com atenção, comunicação e interações sociais
  • Ser suscetível a comportamento repetitivo
  • Ficar animado com muita facilidade

A falta crônica de sono aumenta a ansiedade e o estresse em pais e responsáveis ​​já exaustos. Eventualmente, isso pode afetar sua capacidade de interagir e cuidar dos filhos. A má qualidade do sono piora o funcionamento cognitivo em pacientes autistas. Realmente afeta a fase REM , que desempenha um grande papel no aprendizado e na memória.

Padrões de sono anormais

Pessoas no espectro autista demoram mais para entrar na fase REM (cerca de 160 minutos). Além disso, eles passam cerca de 15,5% do sono no palco. Em contraste, normalmente, gastamos cerca de 100 minutos para entrar na fase REM e 25% do nosso sono nesta fase. Como mencionamos anteriormente, esse estágio é muito importante devido ao papel que desempenha no que diz respeito ao processamento das emoções e do medo.

Outro destaque dos pacientes autistas em relação aos padrões de sono é o fato de que tendem a passar mais tempo em sono de ondas lentas . O sono de ondas lentas é essencial para a retenção da memória. Anormalidades REM naqueles que lutam contra o autismo se correlacionam com a capacidade de resposta social e função cognitiva.

Problemas comportamentais

Alguns problemas comportamentais são característicos de pessoas com autismo. Esses problemas comportamentais não apenas aumentam o estresse dos pais, mas também afetam gravemente a qualidade de vida da família. Eles incluem:

  • Descumprimento
  • Impulsividade
  • Hiperatividade
  • Auto ferimento
  • Agressão
  • Birras
  • Comportamentos disruptivos

Problemas de sono podem piorar as características comportamentais mencionadas acima em pacientes autistas. Os distúrbios do sono estão associados a problemas mentais e comportamentais gerais em pessoas com autismo. Além disso, aqueles com problemas de sono experimentam mais problemas de comportamento externos e internos. Eles também sofrem de baixo desenvolvimento em habilidades adaptativas, algo que aqueles sem autismo não sofrem.

O que tudo isso significa? Significa simplesmente que melhorar o sono das pessoas com autismo vai muito além de melhorar seu comportamento, o que, por sua vez, minimiza o estresse dos pais, além de melhorar o funcionamento da família ao máximo.

Desatenção

A desatenção associada à hiperatividade é uma característica comum de crianças com ASD. Muitas crianças no espectro, de acordo com este estudo , experimentam problemas de sono, como sonolência diurna, atrasos no início do sono e padrões de sono variáveis. Altos níveis de excitação que surgem como resultado de desatenção e / ou hiperatividade podem atrasar o início do sono. Com o tempo, podem causar insônia.

Ansiedade

Tanto adolescentes quanto crianças com autismo lutam contra transtornos de humor e ansiedade. A hiperexcitação psicológica é o principal culpado quando se trata de ansiedade. Isso, por sua vez, resulta em desafios para adormecer e, por fim, em insônia. A ansiedade resulta não apenas em preocupações constantes, mas também em pensamentos intrusivos, particularmente na fase pré-sono. Isso pode afetar drasticamente o início do sono. Transtornos do humor, como condições bipolares, estão associados ao excesso de atividade cognitiva. Pessoas com esses tipos de distúrbios tendem a ter sono mínimo.

Combatendo problemas de sono no autismo

Enquanto os especialistas continuam a explorar as diferentes razões que informam as dificuldades para dormir em pacientes autistas, existem boas notícias para pais, tutores, familiares e amigos cansados. Os diferentes distúrbios do sono são tratáveis ​​- pelo menos em muitos casos.

O primeiro passo consiste em um médico descobrir as causas básicas da insônia. É epilepsia, apnéia ou níveis baixos de melatonina? Será que o quarto está muito quente? Parte da avaliação é a avaliação polissonográfica completa.

Como as condições de saúde, como cãibras ocasionais nas pernas ou apnéia, podem não ser tão óbvias, o processo de avaliação do sono noturno deve ser incorporado. Fazer isso em casa em comparação com dentro do laboratório é mais fácil e mais fácil de usar no bolso.

Com uma avaliação completa do sono disponível, os médicos podem propor as melhores combinações de tratamentos, medicamentos ou terapias comportamentais para pacientes autistas.

Por exemplo, se parte do problema são hábitos de sono ruins, os pais ou responsáveis ​​podem sugerir rotinas de sono melhores. Isso pode incluir coisas como reduzir a ingestão de cafeína e limitar o uso de videogames antes de dormir.

Soluções para problemas de sono em pacientes autistas

As estratégias a seguir são úteis quando se trata de ajudar a melhorar a qualidade do sono de pacientes autistas:

Terapia cognitiva comportamental

A TCC é uma terapia prática que não é apenas mágica com pacientes dentro do espectro, mas também com aqueles fora do espectro. Simplificando, é uma espécie de terapia psiquiátrica. A terapia envolve ter uma conversa estimulante que visa abordar os medos que podem estar informando o problema do sono. Esse tratamento forma uma perspectiva alternativa sobre os medos.

Por exemplo, se o problema de um paciente é “medo do escuro”, um médico pode reformular seus pensamentos ajudando-o a dizer: “Não tenho problemas com meu quarto. É o lugar mais seguro. ”

A TCC é uma das terapias mais eficazes quando se trata de resolver problemas de sono. Este estudo prova tudo.

Terapia de luz natural

Essa estratégia ajuda o corpo a alimentar a produção de melatonina e serotonina. Esses dois são considerados hormônios do sono.

Ao ser exposto a máquinas de luz ou luz natural, seu cérebro é encorajado ou ativado para a produção do hormônio serotonina, fazendo com que você se sinta mais acordado. A máquina de luz é altamente eficaz em estimular a luz natural.

Por meio da redução lenta da exposição à luz natural no final do dia, seu cérebro é abastecido para mais produção de melatonina. Esse hormônio alerta o corpo para dormir.

Ao regular esses dois hormônios importantes, os especialistas podem resolver alguns dos problemas do sono que afetam os pacientes autistas.

Pratique uma ótima higiene do sono

Uma boa ‘higiene do sono’ envolve uma série de práticas que são feitas sob medida para melhorar a qualidade do sono das pessoas desse espectro.

Primeiramente, é recomendável manter uma rotina de sono consistente para aproveitar os frutos de melhor qualidade. Além de manter uma rotina consistente, também é essencial criar um ambiente favorável ao sono.

Para começar, a cama deve ser usada estritamente para dormir – nenhuma outra coisa. Deve-se evitar a todo custo tomar lanches ou comida na cama. O mesmo se aplica a assistir TV na cama. Na verdade, como pai ou responsável por um paciente autista, você precisa remover todos os eletrônicos do quarto.

Uma boa higiene do sono também determina que aqueles que estão dentro do espectro devam gastar poucos minutos ou horas jogando videogame ou assistindo TV durante o dia. Este estudo estabeleceu que aqueles que o fazem apresentam melhora na qualidade do sono.

Algumas das coisas que caracterizam a boa higiene do sono incluem:

  • Dormindo em um quarto silencioso, fresco (não frio) e completamente escuro
  • Apagando as luzes antes de dormir
  • Manter uma rotina consistente de sono ou hora de dormir
  • Limitar jogos, computadores ou TV antes de ir para a cama
  • Evitar treinos ou exercícios várias horas antes de dormir
  • Abstenção de todas as atividades estimulantes mentais antes de dormir

Terapia Farmacológica

Os medicamentos para resolver os problemas do sono no autismo devem ser considerados como o último recurso.

Se você tentou as soluções apresentadas acima e elas se mostraram ineficazes ou difíceis de implementar, você pode considerar o uso de medicamentos. É muito importante notar que mesmo quando você se contenta com a medicina como estratégia, é preciso combiná-la com os métodos não farmacológicos. Combinar as estratégias garante uma melhoria mais sustentada.

A redução gradual da medicação juntamente com o monitoramento rigoroso do mesmo minimiza o risco de repercussão dos problemas de sono. Os adolescentes e outros adultos devem evitar o uso de drogas e álcool ao usar medicamentos. O tempo também é um aspecto importante que vale a pena considerar. A dosagem muito tarde ou precoce será ineficaz.

Considere as seguintes estratégias farmacológicas para problemas de sono no autismo:

  • Melatonina – a melatonina é o agente mais comum e recomendado para problemas de sono que afetam pessoas com autismo. Eles desempenham um papel importante na regulação da temperatura corporal central e do ritmo circadiano. Muitos especialistas opinam que seu uso é mais seguro em comparação com algumas das outras alternativas. Levá-lo percorre quilômetros para reduzir o tempo necessário para adormecer.

Relacionado:  Quantas pílulas para dormir são necessárias para morrer?

  • Antipsicóticos – embora na maioria dos casos sejam recomendados para comorbidades comportamentais ou de humor, eles também são benéficos em questões de sono.
  • Anticonvulsivantes – um atributo notável sobre os anticonvulsivantes é que sua agressão e irritabilidade são mínimas quando se trata de resolver os problemas de sono em pacientes autistas. Seu uso principal é em pacientes com síndrome das pernas inquietas.
  • Antidepressivos – os antidepressivos são úteis em uma série de questões relacionadas ao autismo. Os antidepressivos sedativos, por exemplo, são eficazes na solução de problemas de depressão comórbida. Eles aumentam o sono perturbando todos os efeitos dos neurotransmissores promotores da vigília. Alguns suprimem o sono REM, resultando em sedação prolongada durante o dia. Outros são usados ​​quando a preocupação e os pensamentos obsessivos interferem no sono de qualidade.
  • Anti – histamínicos – os anti -histamínicos são eficazes no tratamento da insônia transitória. Eles trazem consigo um efeito hipnótico e sedativo. Eles também aumentam o despertar noturno, particularmente em pacientes jovens autistas que lutam contra distúrbios prolongados do sono. Alguns de seus efeitos colaterais incluem boca seca, visão turva, confusão, febre e efeitos sedativos.
  • Suplementos dietéticos – os suplementos dietéticos para problemas de sono são mágicos por oferecerem efeitos terapêuticos em pacientes autistas que lutam contra a insônia. Alguns deles incluem raiz de valeriana, kava, ferro e multivitaminas. O melhor atributo sobre eles é o fato de que seus efeitos colaterais são mínimos, ao contrário dos outros.
  • Suplemento oral de ferro – esses suplementos são úteis principalmente no tratamento da síndrome das pernas inquietas. Use-os se desejar ver melhorias nos distúrbios do sono. Os possíveis efeitos colaterais incluem fezes verdes / pretas, diarréia, constipação, náuseas e vômitos.
  • Hipnóticos e sedativos – BZDs são principalmente para adultos autistas. Não são as melhores opções, mas podem ser usadas quando nenhuma outra opção estiver disponível. Eles são eficazes no tratamento de despertares parciais, mordidas noturnas e distúrbios ocasionais de movimentos dos membros. Alguns de seus efeitos colaterais incluem dependência comportamental, insônia de rebote, prejuízo cognitivo, tontura e dores de cabeça.

Dr. Ángel Barba Vélez

O especialista Dr. Angel Barba, possui vasta experiência em Angiologia e Cirurgia Vascular. Tem o conhecimento necessário para prestar um serviço da mais alta qualidade e centenas de pacientes satisfeitos garantem. A formação e currículo profissional do Dr. Barba é muito extensa, e o destaque são mais de 200 apresentações, publicações. participação em congressos e conferências, além de inúmeros prêmios e cargos em diferentes organizações que confiaram em sua sabedoria e experiência.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *