Os antigos egípcios: testes de gravidez de trigo e cevada

Testes domésticos de gravidez atingiram o mercado americano nos anos 70. Inicialmente, os testes eram incômodos (envolviam vários itens, inclusive hemácias de carneiro), e não totalmente confiáveis. Desde então, os testes de gravidez evoluíram e o procedimento foi simplificado. Eles são todos baseados na detecção de níveis de rastreamento do hormônio da gravidez, gonadotrofina coriônica humana (hCG) na urina da mulher. Mas você pode se surpreender ao saber que testes de gravidez por urina não são uma abordagem nova.

O primeiro registro de um teste caseiro de gravidez vem do antigo Egito. Um papiro descreveu um teste que exigia que uma mulher potencialmente grávida fizesse xixi nas sementes de cevada e trigo ao longo de alguns dias. Se as sementes brotassem, ela estava grávida. Eles até determinaram o sexo do bebê com esse método.

Se era cevada que brotou, era uma menina. Se o trigo brotasse, uma mulher estava esperando um filho do sexo masculino. Por mais estranho que pareça, o teste foi realmente preciso em 70% dos casos. Em 1963, o exame laboratorial mostrou que a urina de mulheres grávidas fazia com que as sementes brotassem. As sementes provavelmente começaram a crescer devido aos níveis elevados de estrogênios, que estimulam o crescimento. Mas a hipótese do gênero egípcio, obviamente, não foi confirmada.

A urina também foi usada na Idade Média para determinar se uma mulher estava esperando. A Europa viu o surgimento dos chamados “profetas de urina”, que afirmavam ser capazes de diagnosticar muitas condições, observando a cor da urina. A mulher grávida tinha urina clara de cor limão pálido inclinada para o branco sujo, com uma nuvem na superfície, de acordo com o texto de 1552. Às vezes, a urina da mulher era misturada com vinho. Isso pode realmente levar a uma taxa moderada de sucesso, já que o álcool reage com certas proteínas na urina.

Na década de 1920, já se sabia que um hormônio específico (hCG)  estava presente na urina de mulheres grávidas. A urina foi injetada em coelhos e roedores sexualmente imaturos, e os ovários dos animais foram examinados após 5 dias. No quinto dia, os animais foram mortos e autopsiados para examinar o estado de seus ovários. Se o xixi veio de uma mulher que estava grávida , massas volumosas foram encontradas nos ovários.

Propaganda

Após o Teste de Coelho, veio o Teste de Rã, que funcionava com o mesmo princípio, mas era um pouco mais humano, já que os sapos não precisavam ser mortos. Os anfíbios injetados produziram ovos dentro de 24 horas, se a mulher estivesse grávida. Tem sido sugerido que com o surgimento de testes de gravidez em casa, os sapos se tornaram obsoletos, então eles foram liberados na natureza. Eles causaram uma catástrofe ecológica e contribuíram para a extinção de muitos anfíbios nativos em todo o mundo.

Podemos não usar mais cevada e trigo para testes – e também não sabemos ao certo como o trigo e a cevada transgênicos reagiriam à urina -, mas é interessante notar como nossos antepassados ​​já sabiam que a resposta poderia ser encontrada na urina.

Leia meus outros artigos relacionados:

Dr. Ángel Barba Vélez

O especialista Dr. Angel Barba, possui vasta experiência em Angiologia e Cirurgia Vascular. Tem o conhecimento necessário para prestar um serviço da mais alta qualidade e centenas de pacientes satisfeitos garantem. A formação e currículo profissional do Dr. Barba é muito extensa, e o destaque são mais de 200 apresentações, publicações. participação em congressos e conferências, além de inúmeros prêmios e cargos em diferentes organizações que confiaram em sua sabedoria e experiência.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *